Ser Cuidador Familiar: A Perceção Do Exercício Do Papel (Artigo Científico)

A transição para o papel de cuidador familiar de pessoas dependentes no autocuidado é uma tarefa exigente, na qual os(as) enfermeiros(as) têm um papel importante.

O objetivo deste estudo foi conhecer a perceção do cuidador familiar acerca do exercício do papel de prestador de cuidados. Tendo em conta o problema e os objetivos definidos, optámos por um estudo qualitativo e exploratório. A procura dos significados atribuídos ao exercício do papel foi possível com recurso ao paradigma construtivista que utiliza o pensamento indutivo. Os participantes foram intencionalmente selecionados. A recolha de dados foi obtida por entrevista semiestruturada, em dois momentos distintos: a primeira durante o internamento hospitalar (entre o 6º e o 54º dia de internamento), a segunda entrevista um mês após o regresso da pessoa a casa. A análise teve por baseo método das comparações constantes de Strauss & Corbin (1990).

Conclusão: O estudo permitiu identificar os seguintes significados: o esforço que o cuidado em si mesmo exige do cuidador familiar, torna o exercício do papel uma experiência difícil. O exercício do papel exige “ter de aprender”, “ter de adaptar-se”, “ter que conseguir”. O exercício do papel implica uma preocupação constante.

DESCARREGUE AQUI O ARTIGO CIENTÍFICO COMPLETO >>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.